Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2016

A MULHER E O SUFISMO

A mulher e o sufismoMesmo que neste mundo de dualidades nós podemos adotar distintas formas, em última instância não existem homens ou mulheres, senão somente o Ser. Dentro da tradição sufi, o reconhecimento desta verdade estimulou a maturidade espiritual das mulheres, de uma maneira que nem sempre foi possível no Ocidente. Desde os primórdios do Islã, as mulheres desempenharam um importante papel no desenvolvimento do sufismo, a espiritualidade islâmica, o qual tradicionalmente se entende que começou com o profeta Maomé (ou Muhammad, que a paz esteja com ele). Maomé transmitiu uma mensagem que combinava o espírito e a matéria, a essência e a forma, e o reconhecimento do feminino e do masculino. Ainda que as manifestações culturais tenham ocultado em parte a pureza original da intenção, as palavras do Alcorão expressam a igualdade de mulheres e de homens ante os olhos de Deus. Em um tempo em que as tribos árabes adoradoras de deusas eram ainda bastante brutais, chegando inclusive a ente…

RABI'A AL-MASRI,A GRANDE MESTRA SULFI

Rabi’a al-Masri, a grande mestra sufi10/10/2016 Poucos estudiosos sérios da história do Islã sabem que as mulheres, ao menos nos primeiros séculos da Hégira, viviam no centro do espaço público, participando proativamente na vida da Umma (comunidade ou Eclésia islâmica). Participaram, inclusive, de campanhas guerreiras, como a famosa Umm Haram, que pertencia ao clã do profeta Muhammad, e que morreu corajosamente numa batalha em 649 d.C. Outras mulheres desempenharam papéis fundamentais na história e no fortalecimento do Islã: seus nomes aparecem nas Cadeias de Transmissão dos hadith proféticos, formam parte da linhagem espiritual dos escritores, sendo reverenciadas como verdadeiras poetisas e filósofas gnósticas. Isso sem nos esquecermos das governantes, além das que foram companheiras, instrutoras ou discípulas de grandes mestres muçulmanos, como Fátima de Nishapur, a grande mestra de Bayazid Bistami, e Dhu’n Nun al-Misri, a que As-Sulami dedica consideráveis elogios; ou Shawana, que vi…